A diferença entre solidão e solitude

Ilustração: Yelena Bryksenkova 
Dia desses me peguei pensando com meus botões. Sou daquelas pessoas que prefere lugares calmos, o som do silêncio e estar dentro dos meus próprios pensamentos, então nos intervalos da escola, costumo levar um livro e ficar na sala mesmo. Vez ou outra minhas amigas preferem descer, e eu fico lá, lendo. Sempre que alguém chega e me vê ali, sozinha na cadeira, me lança um olhar de pena, como se fosse triste não ter mais ninguém comigo.
 
A questão é que estar só e ser solitário são coisas completamente diferentes. Quantas pessoas vivem rodeadas de pessoas, com uma multidão de amigos, e no fundo, sente que está sozinho? E quantas pessoas viajam pelo mundo, vão ao cinema, se divertem lendo ou escutando música, tudo isso na sua própria companhia?
 
Percebem a sutil distância que separa um e outro?
 
Na minha cabeça, solidão é como um deserto. É sentir-se caindo em um buraco negro. É olhar para os lados, para todos os sons e pessoas ao seu redor e não se encaixar em parte alguma. É não se entender e não ser entendido. É um isolamento, como se faltassem peças dentro de você.
 
Estar só significa que todas essas peças estão encaixadas, que você está completo, mesmo que sozinho. É independência, é colocar nossa felicidade nas nossas próprias mãos ao invés de prendê-la a terceiros. É aproveitar a própria companhia e estar satisfeito com isso, sabe? É se divertir com aquele seu romance preferido ou ouvir aquela música e sentir que bem, não falta nada. É viajar por conta própria, é ir ao cinema sozinho e chorar de tanto rir do filme. Isso se chama solitude.
 
O que muita gente não entende é: Uma pessoa que está só pode não estar se sentindo solitária. Já parou para pensar que isso é uma escolha? A pergunta para "Poxa, por que você está só?" pode ser "Porque gosto de estar comigo mesma." e isso não é nem de longe, uma coisa ruim. Na verdade, é libertador.

Inspiração: parque de diversão

Confesso: Não sou lá muito fã de parques. Mas isso porque não sou nada radical, então só de pensar em montanhas-russas e algum brinquedo do tipo dá um frio na barriga. Tenho até uma história "engraçada" que aconteceu quando eu era menor. Tinha ido naqueles carrinhos bate-bate e foi a primeira vez que ia dirigir sozinha, sem ninguém comigo. Acreditam que eu não consegui pilotar aquela coisa? Ficava girando o volante pra todos os lados mas não saía da parede, daí as pessoas da fila resolveram me ajudar e cada uma ficou dizendo pra eu fazer uma coisa diferente (traumatizei!). É, sou barbeira de carrinhos bate-bate.
 
Mas o que eu não posso negar é o quão bonitos e fotogênicos são esses cenários. As cores, balões, comidinhas, as luzes dos brinquedos quando tá escurecendo... Perfeitos para tirar foto! Aqui na minha cidade o parque vem em todas as férias, e acredito que na cidade de vocês também, então por que não aproveitar o momento para tirar fotos com os amigos e se divertir? Separei várias fotos lá do we heart it para servir de inspiração. Espero que gostem!
 
http://weheartit.com/entry/55490556/via/escritoriando?page=4
http://www.toffeedrops.com/2015/07/round-and-around.html
Foto da Andrea
Imagem de photography, light, and ferris wheel

Meu coração e outros buracos negros


Título original: My heart and other black holes
Autora: Jasmine Warga
Editora: Rocco

Esse livro é, acima de tudo, uma mensagem de esperança. Um lembrete de que a mudança é possível, de que dá pra alcançar a luz mesmo que você esteja em um buraco negro que nunca tem fim.
 
Aysel (lê-se Â-zél) é uma menina de dezesseis anos que sofre de depressão e quer morrer, devido a uma ligação conturbada com o pai que ela evita falar, mas que começamos a entender à medida que a história avança. Acontece que ela tem medo de pôr fim a sua própria vida por medo de dar errado e por medo do que acontecerá com a energia do seu corpo quando ela finalmente ir. Por isso, ela decide entrar no Passagens Tranquilas, um site que oferece um parceiro para o suicídio, e assim conhece Roman, o RobôCongelado.

Eles marcam uma data: 7 de Abril. O livro é contado em forma de contagem regressiva, e acompanhamos como os dias transcorrem até o grand finale. Porém, eles começam a se conhecer, e quanto mais conversam, em meio aos seus encontros para planejar os detalhes do suicídio, os dois se apaixonam. Vemos, aos poucos, Aysel ficar em dúvida. De repente a decisão não parece mais tão certa, de repente a lesma preta da depressão começa a se encolher, e a personagem começa a dar os primeiros sinais de que quer lutar contra aquilo, a passagem de escuridão para a luz. O problema é que Roman está totalmente convencido de que quer pôr fim à sua vida, e então Aysel precisa convencê-lo de que ele merece e precisa viver.
 
Esse é a obra de estreia de Jasmine Warga, e esse detalhe passaria despercebido se eu não tivesse lido isso na orelha do livro. Nasce aqui uma autora em potencial (!). Ela conseguiu reunir os melhores elementos de um romance (nada daquela chatice clichê e exagerada) e trabalhou em cima de assuntos pesados como depressão e suicídio de forma delicada, em meio a teorias físicas e músicas clássicas (a personagem é fascinada por ambos os temas). Meu coração e outros buracos negros é uma faísca de possibilidade. É um livro lindo que aquece o coração e transmite a força do amor não só aquele por outra pessoa, mas o amor próprio. Ele pode mudar tudo.


Sobre a parte estética: amo a arte da capa as cores, a fonte que imita pinceladas, e principalmente a lombada, que fica linda na estante! As folhas são amareladas (e esse é um ponto muitíssimo importante/positivo) e não notei erros de revisão.

Citações
"Qualquer um que já esteve triste de verdade pode dizer que não há nada de bonito, literário ou misterioso na depressão." Pág. 22

"Mas quanto mais conversamos sobre isso, quanto mais dividimos nossa tristeza, começo a acreditar que poderia haver uma chance de nos concertarmos, uma chance de nos salvarmos." Pág. 234


Feminismo is back, baby!

 
Eu queria muito ter falado sobre esse assunto aqui antes, mas ele já havia sido (e é) tão discutido no mundo virtual & no real que eu não sabia como escrever algo que não soasse repetitivo. Acontece que é algo tão presente na minha vida (e na de todo mundo, quando a gente começa a pensar sobre) que eu simplesmente não consigo ignorar, por isso, cá estamos.
 
Sim, eu sou feminista, e acredito que 90% das confusões e ideias contrárias ao movimento se devam ao fato de que as pessoas simplesmente não entendem o que, afinal de contas, significa a palavra f.e.m.i.n.i.s.m.o, então aqui vai a explicação do jeito mais didático possível:
 
Tcharaaaaaan! Ao contrário do que muita gente pensa, o feminismo existe porque sim, ainda vivemos em um mundo desigual em mais maneiras do que imaginamos quando pensamos sobre isso e as mulheres foram deixadas em segundo plano, à sombra dos homens. O que o movimento prega é a ideia de que nós, meninas, também somos completamente capazes de pensar, agir e fazer coisas grandes. WE CAN DO IT!

Imagem de quote, woman, and funny
Amber, uma mulher precisa de um homem como um peixe precisa de uma bicicleta.
 
Sabe aquele velho estereótipo de que meninas precisam ser salvas pelos mocinhos e tudo que uma mulher deseja é um cara? JO-GA FO-RA. Isso é generalizar e dizer que não temos ambições maiores. Quantas vezes você já não ouviu mulheres mais velhas sendo questionadas com espanto por outras pessoas por ainda não terem casado ou terem filhos? A questão é: você não precisa de nada disso, se não quiser. Assim como é livre para desejar isso. Afinal de contas, você é uma pessoa livre e isso implica dizer que as decisões sobre sua vida estão nas suas mãos!

 O feminismo liberta, seja livre!:
Imagem de grey's anatomy, quote, and brain
Dane-se a beleza. Eu sou brilhante. Se você quiser me agradar, elogie meu cérebro.
 
Jenny Holzer:
Crie garotos e garotas do mesmo jeito
 
Não devemos ser programadas para servirmos, como meninos não devem ser programados para serem servidos. O que se deve ensinar é que não há cores, brinquedos e maneiras de meninos/meninas. Há cores, brinquedos e maneiras. Meninas não precisam ser belas, recatadas e do lar para serem respeitadas ou admiradas, assim como meninos não precisam gostar de jogar bola e provar a todo instante sua masculinidade agindo como se fossem superiores (segredo: isso não prova coisa alguma)
 
Imagem de world, change, and quote
 
Minha finalidade com esse post não é tornar todo mundo feminista de uma hora para outra, afinal, um dos conceitos mais prezados por ele é a liberdade. Mas sim tentar fazer com que as pessoas entendem a importância dele em nossas vidas.
 
Essa luta é sobre direitos. É sobre sair das sombras e não mais permitir que o nosso gênero nos imponha limites. É sobre sororidade e quebra de estereótipos. É dizer para as mulheres que não tem problema em ser magra, gorda, negra, branca, ser delicada ou gostar de sei lá, jogar vídeo games. É sobre aos poucos ir se soltando de amarras e abrir os olhos para tantos abusos que acontecem diariamente e a gente nem percebe, por terem sido tão banalizados.
 
Se você é contra tudo isso, ok. Mas por favor, deixa a gente lutar por aquilo que é nosso. Deixe-nos opinar sobre o que vivemos todos os dias, e sobre o que poderia mudar. Estamos tentando mudar o mundo.

5 motivos para amar Scream

Comecei a ver Scream a um tempo atrás por indicação das minhas amigas, meio com um pé atrás porque sou a pessoa mais medrosa do mundo, mas acabei gostando tanto que virou uma das minhas preferidas (como se eu assistisse tantas assim, pfff).
 
Como eu acho um pecado encontrar uma coisa tão legal e não dividir com o mundo, resolvi dedicar um post inteirinho de coisas que eu amo em Scream e que talvez façam vocês terem vontade de assistir também.
 
1-O roteiro é maravilhoso
A história é baseada nos filmes Scream (ou Pânico, em português), e acompanha um grupo de adolescentes que começam a receber mensagens/ligações de um serial killer depois de um vídeo de mau gosto que fizeram contra duas alunas e viralizou na internet. O mais legal é que o modo como eles são ameaçados é totalmente dias de hoje: enquete para decidir quem vai ser assassinado, colagens, vídeos, sms.
 
2-O assassino não é previsível
Imagem de scream, the tv series, and emma duval
E isso faz você ficar cada vez curioso para saber quem está por trás daquela máscara! Tive alguns suspeitos durante toda a primeira temporada, e no final dela a descoberta me fez ficar de boca aberta. Não tem como prever!
 
 3-Você nunca sabe quem vai morrer
A gente pensa, hmmm, aquele ali é um dos que vai permanecer até o final, e aí vem o killer e dá um tapa na nossa cara hahaha Essa é um dos pontos que te faz ficar cada vez mais viciada. Juro, não tem como se entediar assistindo aos episódios ou torcer para que seus personagens preferidos sobrevivam.
 
4-O elenco
É composto por carinhas novas, que a gente não está acostumado a ver por aí. Mas posso dizer uma coisa? Já quero guardar todos em um potinho ♥
 
5-É produzido pela netflix
Sem mais, né? A netflix tem a fama de fazer um trabalho impecável em todas as séries que produz, e dessa vez não foi diferente. Arrasam!
 
Eu poderia continuar enumerando mais e mais motivos, mas acho que é mais legal vocês assistirem e tirarem as próprias conclusões. Ah, para quem é medroso igual a mim, vai sem medo! Tem susto, tem sangue, tem suspense, mas nada que tire o sono. Se eu não achei, ninguém mais acha hahaha
 
Tem poucos episódios: Já tem a primeira temporada na netflix e a segunda está sendo liberada aos poucos nesse mês, então dá tempo de acompanhar.
 
Alguém aí também assiste? O que acham?

Bad days: o que fazer?

Imagem de girl, roof, and photography
Ninguém é feliz o tempo inteiro. Isso é uma verdade que as pessoas não entendem/aceitam direito, mas que é totalmente real -e compreensível. Estamos todos tentando entender o mecanismo da vida e tropeçando até acertar. Às vezes o joelho rala, o cansaço bate e algumas pessoas tornam essa tarefa bem mais difícil. Então quando você vê, já está chorando na cama escutando Lana Del Rey e se perguntando porque é tudo tão complexo.
 
Não precisa se desesperar. Sua dor torna você humano (já pensou que loucura não ter emoções?). Aceitar que estamos em um bad day não te torna inferior ou qualquer outra coisa, mas é um passo para sair dele. Mas e como agir depois disso? Pensei muito e separei cinco passos para se sentir melhor. Espero que ajude!
 
 ♥ Experimente coisas novas
Nessas horas, é muito importante ocupar a cabeça. Por isso, que tal aproveitar esse momento para tentar coisas novas? Fazer uma receita, aprender um outro idioma, tocar um instrumento, qualquer coisa que livre você de pensamentos negativos é bem vinda. Assim o momento faz você se sentir melhor e ainda acrescenta alguma experiência (mesmo que isso envolva bagunça na cozinha e cupcakes que deram errado). Talvez seja o momento de pôr em prática aquelas coisas que você anotou na agenda para testar um dia.
 
Se diverta com os amigos
Porque com certeza eles farão você se distrair e rir, mesmo que você não esteja nem um pouco afim disso.  Nos bad days, os melhores remédios são esses. Pode perguntar para qualquer médico e eles vão confirmar hahaha
 
Se desconecte da internet
Imagem inspiradora no We Heart It
Às vezes, é bom desaparecer do mundo virtual. Dê um tempo do facebook, instagram, twitter (...) e viva um pouco mais nesse aqui, o real. Se concentre em você, nos seus amigos, nas coisas à sua volta que estão acontecendo. Tem momentos que a internet está tão saturada de energias negativas que nossa cabeça fica poluída com tanta informação desnecessária. Passe uns dias sem entrar nas redes sociais, saia para respirar o ar, dê um tempo para si mesmo, passe um fim de semana naquela fazenda da sua avó, e eu garanto que quando você voltar (renovado), as redes sociais vão continuar lá, no mesmo lugar onde você as deixou. Eu prometo.
 
Escreva sobre o que está sentindo
Imagem de photography, Letter, and vintage
Quando botamos no papel o que está se passando dentro de nós, organizamos nossos pensamentos e entendemos melhor o que está causando aquilo em nós. É como uma terapia, sabe? Faz mal guardar tudo pra si porque uma hora os problemas criam raízes -e aí fica mais difícil se livrar deles. O papel funciona também como uma forma de desabafar, mesmo que seja só para você, em um caderno, no celular ou folha qualquer.
 
♥ Cuide da saúde física e mental ♥
http://weheartit.com/entry/88864139/in-set/107316533-running?context_user=_caroli
Com a rotina corrida do dia-a-dia a gente acaba deixando de lado o nosso bem estar, mas a saúde do corpo e da mente é importante -e não pode nunca ser deixada de lado. Não menospreze sua autoestima. Tire um tempo para isso: mude o cabelo, faça alguma atividade física e cuide da alimentação. Não parece pesar tanto, mas quando você faz esses pequenos esforços, nota uma melhora considerável no seu humor e disposição.
 
Entenda que isso é temporário
É aquele ditado: tudo passa. Sério, mesmo que não pareça, sua tristeza não é para sempre, e quanto mais rápido absorvemos essa verdade, mais fácil se torna suportar esse momento e se livrar dele. Você só precisa ter paciência e ser forte :)
Tecnologia do Blogger.