Livro: A sereia (Kiera Cass)


Quando soube do lançamento desse livro, pirei totalmente. Sereias? Romance? Kiera Cass? Era a fórmula da perfeição, e na minha cabeça não tinha como dar errado. Comprei antes mesmo de lançar nas lojas físicas, lá na saraiva, e pulei de alegria quando ele chegou aqui em casa.

A história se passa em torno de uma menina chamada Kahlen, que após ser salva de um naufrágio é condenada a passar cem anos cantando para atrair pessoas a se jogarem no mar, pois elas eram a fonte vital da Água. A condição para a moça viver assim é que os humanos nunca poderiam ouvir sua voz, caso contrário, ficariam encantados e morreriam. Ela está determinada a cumprir sua sentença, até que um garoto chamado Akinli a faz ficar dividida entre o dever e o amor.
 
 A escrita da Kiera cativa desde a primeira página, mas a história começou a se perder no mar (notem a referência hahaha) e senti que a mitologia e mesmo os próprios personagens ficaram desfocados, parecendo ser só um pano de fundo para o romance entre a Kahlen e Akinli. Esse foi outro aspecto que me incomodou: o romance. Não senti uma conexão verdadeira entre eles, tudo passou muito rápido, o amor pareceu surreal e isso me deixou frustrada, porque não consegui torcer para que eles dessem certo no fim.

Sobre a capa: maravilhosa. Amei os tons, a fonte do título em alto relevo e a fotografia, que pasmem, foi tirada no Brasil! Outro detalhe é que no início do livro contém uma carta da escritora para os fãs brasileiros. É ou não é muito amor? <3

Não foi uma leitura que eu amei, mas não me arrependo de ter feito, apesar de não ter me identificado nem um pouco com os personagens. É um livro pra se ler de forma despretensiosa, em um fim de semana de verão.

Alguém aí já leu? Deixem a opinião de vocês nos comentários!

1950's time

A década de 50 foi uma época que marcou o mundo em vários aspectos: foi o período de transição entre as duas guerras mundiais, o rock se tornou febre entre os jovens, houve grandes avanços tecnológicos, no cinema surgiam filmes que se tornariam clássicos como Cinderela e Alice no país das maravilhas e muitas tendências foram lançadas e são usadas como referência até hoje. 

Já comentei por aqui que me identifico muito o estilo vintage, as músicas da época, os acessórios e o cenário artístico em geral, por isso resolvi fazer um post especial sobre o que gosto dos anos dourados e aproveitar para indicar coisas que surgiram lá em 1950 pra quem curte coisas antigas assim como eu <3

Cena do filme Grease: nos tempos da brilhantina

Em primeiro lugar: Os filmes! Nesse cenário, muitas estrelinhas começaram a se tornar queridinhas, como a Brigitte Bardot e a Marilyn Monroe, e a indústria cinematográfica produz obras que ficaram eternizadas. Meus preferidos são: GreasePsicose, Bonequinha de luxo e Cantando na chuva.


O biquíni surgiu em 1946, mas foi só nos anos 50 que ele começou a fazer sucesso, com o modelo de duas peças, com a parte de baixo de cintura alta. Aliás, voltou a fazer sucesso e já vi por aí muitas lojas apostando nesse modelo pin up retrô (tem na Pelican Fly e na Surpreenda store). Não sou muito fã de biquínis, mas se fosse escolher um para usar com certeza seria inspirado nesse estilo!


Laqué, fixador e muito grampo! hahaha Nessa época, quanto mais volume, melhor, então as mulheres abusavam de cachos bem definidos, topetes e bob's. O resultado era pura elegância, mas imaginem o tempo que demorava pra conseguir o efeito?


Cintura marcada, vestidos rodados, tons pastéis... preciso falar mais? O estilo ladylike surgiu com a aposta de glamour e as estampas, o volume das saias e os sapatos fofinhos tornam o conjunto delicado e feminino. Óculos estilo gatinho, lenços de cabelo, delineador e batom vermelho também são marcas do estilo. De verdade? O meu guarda-roupa podia ser completamente 1950 que eu tava bem feliz <3
Mas e vocês, com qual época se identificam mais?

5 filmes para assistir na netflix

Estamos em pleno carnaval, e eu nunca fui fã dessa época do ano. A bagunça dos blocos, a multidão, as músicas de axé... hummm, não. Apesar disso, dá pra aproveitar o tempo livre pra fazer outras coisas: passeios com as amigas, ler aquela pilha de livros que você acumulou, passar um tempo com a família e assistir muitos filmes e séries legais!
Como eu sei que muita gente do lado daí também não curte muito a vibe de carnaval, decidi separar cinco filmes que gosto muito e que recomendo fortemente pra vocês verem nessa semana. Afinal, quem disse que não dá pra se divertir em casa, debaixo dos cobertores e com um balde de pipoca? Quem aí também é do bloco netflix? hahaha.
 
Peixe grande e suas histórias maravilhosas (2003)
Tim Burton é extraordinário em todas as produções, por isso quando soube da existência desse filme, quase pulei de alegria. Edward Bloom é um contador de histórias que viveu muitas aventuras desde sua juventude, envolvendo gigantes, circos com criaturas bizarras e a busca por um grande amor.
As cores, cenas e diálogos se encaixam perfeitamente e têm aquele toque único do Burton. Se eu pudesse escolher uma só palavra pra definir esse filme seria mágico.
 
Vanilla Sky (2001)
Assistimos esse filme na aula de espanhol, na versão original, chamada Abre los ojos. Achei interessantíssimo e decidi aproveitar a semana de folga pra assistir a adaptação dos EUA. É um suspense psicológico estreado por Tom Cruise, sobre um cara rico e bonito que tem o rosto desfigurado depois de um acidente de carro.
Por algum motivo (que é spoiler e não vou contar) ele vai parar em um hospício e é acusado de assassinato. É preciso prestar atenção aos mínimos detalhes da história, e a medida que os acontecimentos vão se desenrolando, você fica mais perdido que no começo! É uma dica maravilhosa pra quem gosta de psicologia <3
 
D.U.F.F (2015)
Esse filme estava nas recomendações do netflix e fui assistir. Pensei que era só um daqueles filmes bobinhos de adolescentes, mas me enganei. Duff é uma abreviação para Designated ugly fat friend, que em português seria como amiga gorda e feia. Bianca é melhor amiga de meninas lindas, estilosas e populares, e logo percebe que se encaixa na denominação -ela é apenas a parte sem graça do seu grupinho.
Então, com a ajuda do lindo Wesley, ela tenta mudar para reverter essa situação. Bem aí, pensei: hm, já sei o que vai acontecer, ela vai mudar o cabelo e as roupas, virar popular e fim. E ainda bem que me enganei mais uma vez. O filme mostra a mensagem clara de que tudo bem ser você mesma, não importam os padrões, não importa o jeito que você se veste ou fala. Dei cinco estrelinhas!
 
Lola (2012)
Tinha assistido a versão francesa desse filme (Rindo à toa), mas quando fui ver o trailer dele, não fazia a mínima ideia de que os dois tinham uma ligação. Então a história começou, exatamente igual ao francês, com a mesma trilha sonora e cenas e minha conclusão foi: Que plágio! 
Desde aí criei uma rixa com o filme e não quis assistir de jeito nenhum. Somente ontem, como não achei nenhuma outra opção, decidi dar uma chance pra ele, e aí vi que eles tinham botado os créditos e deixado claro que era uma readaptação (sou tão ingênua hahaha). Lola conta a história de uma adolescente e seus amigos: namoro, amizade, conflitos com a família e todos os dramas que costumam acontecer nessa fase.

Johnny & June (2005)
Esse filme é muito especial pra mim porque quando era mais nova, eu costumava assisti-lo com a minha tia. A gente praticamente via todos os dias, cantávamos as músicas e tudo, tanto é que minha avó entrava na sala e dizia "Não aguento mais esse filme". É uma biografia de Johnny Cash e June Carter, cantores country, desde a juventude, até quando se conheceram e se apaixonaram. Eu amo demais, sério!
 
E aí, qual desses vocês assistiram? Quais vocês recomendam também? Deixem nos comentários!

Planners e calendários 2016

Que eu tenho uma pilha de sonhos e listas de metas todo mundo já sabe, né? Mas um segredo que acompanha essa minha mania é: sou bem desorganizada. Sério. Acho que em todas as partes da minha vida, o que falta para as coisas darem mais certo é sentar e planejar tudo que eu quero ou preciso resolver. O ano começou bem aí e já sinto que vai ser decisivo: é meu último ano no colégio e logo, logo meu futuro dá as caras mesmo que eu ainda não esteja 100% pronta pra isso. Como sei que o tempo que eu tinha para blog-estudo-lazer-todas as outras coisas vai diminuir com a nova carga horária, decidi que tenho mais do que nunca de parar de adiar e começar a fazer as coisas acontecerem. Tipo sendo mais organizada.

Para isso, decidi procurar ferramentas que me ajudem a controlar as tarefas que tenho que fazer e todos os compromissos, e o melhor método que conheço ainda são os planners. Pra quem não sabe o que é, são aquelas agendas (dá pra imprimir ou usar no pc) que te permitem escrever tudo que você precisa fazer dentro de um ano. Se tem alguém aí que precisa disso tanto quanto eu, acho válido tentar, o ano está apenas começando!


01 - janeiro

calendario 2016 blog fotografario



Planner 2016 Casinha Arrumada 5


Agora não tem desculpa para deixar as coisas pra depois! Fica até difícil de escolher com tanta opção fofa <3 Quem aí também vai se organizar assim nesse ano? Possuem algum método que funciona melhor pra vocês? Compartilhem com a gente!

A rainha da cocada

Não costumo muito assistir tv, mas aqui em casa ela quase sempre está ligada na GNT, então querendo ou não, acabo assistindo alguns programas quando estou passando pela sala. Foi assim que conheci o Rainha da cocada, programa culinário apresentado pela Raiza Costa. Acabei sentando para ver qual era a receita, me peguei rindo de alguns comentários da Raiza e fui reparando na decoração vintage do cenário. Quando vi, já tinha assistido o programa todo e querendo saber mais da história por trás dele.
 
A brasileira Raiza Costa tem 28 anos, mora em Nova York e tem um canal no youtube, o Dulce Delight. Daí que o canal cresceu, ganhou espaço no canal televisivo e agora vai ao ar de segunda a sexta, às 19hrs. Por que isso é tão especial? A edição do programa tem edições incríveis, a cozinha da Raiza parece de boneca, com todas essas cores pastéis e utensílios fofos e as receitas, inspiradas na confeitaria francesa, dão vontade de correr pra tentar fazer. Além disso a Raiza é super engraçada, então diversão na certa em cada take!
 
Cores, cores, coreees <3
 Outro motivo pra amar o Rainha da cocada? O estilo da Raiza. Com um visual bem pin-up, Em todo ela abusa de acessórios diferentes, vestidos vintage e maquiagens bem coloridas. Quero tudo isso AGORA no meu guarda-roupa!
 
 
o Lancelotte faz participações especiais por lá hahaha
 
Apesar de não gostar de cozinhar nem ter talento pra isso, adoro acompanhar o programa toda vez que vejo que tá passando. Separei algumas das receitas que mais gostei pra vocês verem. E olhem que não foi tarefa fácil, hein?
 
    ♥ Rocambole de coração (Receita em inglês)
 
 
 
 
Acompanhe a Raiza:
 
Quem aí já conhecia o Rainha da Cocada? Gostam de programas/canais de culinária? Digam nos comentários!
 

A doce voz de Russian Red

Conheci a Russian a uns três anos, no Serendipity, e foi uma espécie de amor à primeira vista. As músicas dela me dão uma sensação de nostalgia do meu último ano na antiga escola, porque sempre escutava quando ia de manhã cedinho pra aula, quase dormindo no banco do carro. Dia desses cliquei por acaso em um dos clipes e quase posso jurar que se eu fechasse os olhos, sentiria direitinho que estava no 9º ano outra vez, fazendo um percurso que não é mais minha rotina.

Russian Red, e não estou falando daquele batom lindo da MAC, na verdade se chama Lourdes Hernández e nasceu em Madrid. Ela tem um som meio folk/indie e uma voz doce e fofa que dá vontade de sair por aí viajando. A minha música preferida, a primeira que escutei, foi Fuerteventura, mas também recomendo So long, Marianne, Everyday Everynight e Conquer the world.


Ah, se vocês conhecerem algum cantor/banda legal, já sabem, né? Podem indicar a vontade aqui nos comentários que eu vou amar <3

Dezessete primaveras


 Hoje amanheci mais velha. É estranho porque parece que dormi um longo tempo e acordei com dezessete. Onde foi parar todos os anos da infância e parte da adolescência? Na memória. Todas as lembranças e aprendizados misturados feito uma coisa só. Não dá pra resumir uma vida, certo? Mas fazendo um balanço geral, consigo concluir que durante esses dias que vivi aprendi muito, mas muito mesmo. A gente chega nesse mundo sem nenhuma noção do quanto vamos rir, chorar, quantas pessoas vamos conhecer e de quantas vamos nos despedir. É meio louco, mas também bem legal. Espero que isso seja só uma prévia do quão grande é o mundo, que eu ainda pretendo conhecer parte por parte.

Não podia deixar de fotografar e registrar mais um ciclo da minha vida que começa agora. E aproveitar pra agradecer a vocês que me acompanham por aqui. Essa jornada é nossa!



Obrigada por tudo, gente! E que venham muitas coisas legais pra eu escritoriar sobre elas por aqui :)
Tecnologia do Blogger.