Felicidade ímpar

 
Um amor que surpreenda, que traga flores em uma segunda-feira, que dê o braço a torcer em todas as discussões, que saia de casa quando você estiver triste, que assista os filmes mais entediantes só porque você gosta e te ouça pacientemente falar pela décima vez sobre aquele livro que você devorou em dois dias e se emocionou no final.
 
Talvez seja culpa dos seriados, dos filmes de romance e dos super-heróis, mas tenho certeza de que a imagem do amor perfeito que você construiu na sua mente e jura (!) de pés juntos que um dia vai chegar, se parece pelo menos um pouquinho com o parágrafo acima. Não que eu tenha adivinhado ou coisa parecida, mas é que eu também sou como você. É que estamos todos no mesmo barco, leitor.
 
A questão é que estamos tão imersos nessa ideia, olhando pra um horizonte que nunca se aproxima, que esquecemos de enxergar o que está bem aqui na nossa frente. Não que se você olhar pros lados a pessoa encantada vai estar te esperando, com um sorriso de outdoor e uma promessa de "para sempre", calma lá. É que as vezes a gente esquece de viver um pouquinho mais, de se preocupar com a gente e cuidar desses sentimentos fragilizados que carregamos aqui dentro. De se aceitar e não ligar tanto pro que os outros vão pensar. De se amar.
 
É fácil gostar de alguém quando não somos nós que temos que lidar com as inseguranças interiores alheias, concordo, mas e você, com todos seus defeitos, manias e bobagens que só você conhece?
 
Acho que o segredo é esse: Ser feliz sem espera, ser feliz ímpar, com você mesma, de cara lavada e pijamas. Da sua risada alta e o modo como seu cabelo fica quando você acorda. De ser feliz singularmente, tranquilamente, com todos os dramas e borboletas que você cultiva no estômago.
 
Então me conta aí, já se amou hoje?

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AHH meu deus, Manu! Apaguei seu comentário sem querer :( desculpa. E fico feliz que tenha gostado do texto <3 bjs!

      Excluir
  2. Que texto lindo, amei! Você é muito filosofa kkk, brincadeira... mas enfim, você escreve muito, não é a toa que eu fui uma das criadoras da tag #LailaEscreveUmLivro, lembra?! Hahaha.

    Beijos,
    Kaka ♥

    www.arrasandodeallstar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você, Lai! Acho que a nossa felicidade tem que vir de dentro. Ela não pode depender de uma pessoa especial que está para chegar enquanto muitas outras interessantes acontecem em nossa vida.
    Te mandei umas mensagens lá no whats, responde quando puder, senhorita.
    xoxo

    s2juuh.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Texto muito bem escrito!
    O amor próprio atrai outros amores. Quando você se ama, a sua capacidade de amar alguém e ser amado é muito maior. Nossas conquistam se ampliam, e o nosso ser único faz a diferença em todo e qualquer lugar que passamos. Amei o texto, amei seu blog! Parabéns, já estou até te seguindo.

    Beijos!
    http://senhorita-deise.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Você escreve muito bem e tá de parabéns!
    Acredito (isso hoje, porque antes...) que só é possível amar o próximo quando a gente já cultivou o nosso amor. Não dá pra se perder por outra pessoa se a gente ainda não se perdeu por nós. Hoje vejo que em primeiro está a minha pessoa, o meu amor, o meu gostar, as minhas vontades. E que só assim poderei (e pude) abrir espaço pra amar alguém, pra compreender ou até ceder à algumas vontades de outra pessoa.

    Beijos
    http://jurodemindinho.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.